Blog

Confira as notícias, novidades e curiosidades sobre turismo

Publicado em 22/09/20 às 11:06:00

Um Dia da Árvore sem muito o que comemorar

Um Dia da Árvore sem muito o que comemorar
Queimada no Parque das Emas - Foto por Ana Luzia de Souza Cunha

O Ministério do Meio Ambiente cortou 58% da verba de prevenção e controle de incêndios, mesmo com as queimadas na Amazônia aumentando 30% em 2019 e com o Pantanal registrando o maior número de queimadas em uma década. O governo federal vem cortando drasticamente a verba para contratação de profissionais para prevenção e controle de incêndios florestais em áreas federais.

Em um ano, a verba para brigadistas foi cortada em 58%. O orçamento destinado à contratação de pessoal de prevenção e controle de incêndios florestais em áreas federais sofreu forte redução entre 2019 e 2020.

O gasto esperado com a contratação de pessoal de combate ao fogo por tempo determinado, somado ao de diárias de civis que atuam como brigadistas, caiu de R$ 23,78 milhões em 2019 para R$ 9,99 milhões neste ano – uma redução de 58%, de acordo com dados oficiais do Portal da Transparência.

Este foi o segundo ano seguido de redução no orçamento total para prevenção e controle de incêndios florestais em áreas federais. A verba inicialmente planejada para a área em 2018 era de R$ 53,8 milhões, reduzida em 2019 para R$ 45,5 milhões, e para R$ 38,6 milhões em 2020. Do ano passado para este, a redução foi de 15%.

Foto pode ter direitos autorais

Em nota, o Ministério do Meio Ambiente afirma que aumentou o número de brigadistas. Em 2020 foram contratados 3.326 brigadistas pelo Ibama e pelo ICMBio, contra 2.080 em 2016. Porém, os editais de contratação para os profissionais, que costumam ser realizadas a partir de abril, para que as brigadas tenham tempo para o trabalho de prevenção dos incêndios, neste foram publicados somente em junho, atrasando todo o cronograma.

Foto pode ter direitos autorais

Segundo um funcionário do ICMBio que prefere não se identificar, o trabalho de combate aos incêndios no Pantanal demorou para começar, de modo que agora resta apenas esperar pela chuva e tentar impedir o fogo de consumir construções, pontes e unidades de conservação – os chamados alvos preferenciais. “O grosso do trabalho de combate é feito de julho a setembro, antes há os trabalhos de queima preventiva, abertura de aceiros, feitos com acompanhamento do PrevFogo. O trabalho preventivo é até 20 vezes mais barato que o combate”, calcula.

Foto pode ter direitos autorais

No Pantanal, Ibama e ICMBio vêm trabalhando em conjunto com bombeiros, militares e o Sesc Pantanal na força conjunta que tenta manter a salvo o Parque Estadual Encontro das Águas e o Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, ambos refúgios de vida silvestre.

O fogo não é novidade na região. Por décadas, fazendeiros usaram as chamas para devolver nutrientes ao solo de forma barata e renovar o pasto para o gado de corte. Mas de janeiro a 10 de setembro de 2020, o Pantanal somou 12.703 focos de incêndio, o maior número para o período desde que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) começou o monitoramento, em 1998.

Foto pode ter direitos autorais

Segundo dados Inpe, nos primeiros oito meses do ano, 18.646 km² do bioma foram consumidos pelas chamas, mais da metade disso em agosto. Historicamente, a situação observada em setembro é ainda pior, com mais áreas de campos, florestas e arbustos queimados. Se o ritmo medido em agosto se mantiver, o Pantanal terá um total de 28, 8 mil km² carbonizados até o final de setembro, superando todos os anos anteriores.

Foto pode ter direitos autorais


 

Na nossa região o fogo chegou ao Parque Nacional das Emas de forma natural, causado por raios das primeiras chuvas. A diretoria do Parque, com o apoio dos fazendeiros da região, controlou os primeiros focos, mas com a continuação da estação de chuvas, mais raios podem atingir a reserva. A luta é contínua e as verbas devem chegar no momento correto pra que se faça o devido manejo. Como sempre, prevenir e fazer os trabalhos necessários minimizam os efeitos e também diminuem o gastos. Questão simples de lógica, mas até o momento não foram gastos nem 1% das verbas do Ministério do Meio Ambiente para uso na prevenção de desastres ambientais.

Fonte: Hora do Povo e G1 (texto em destaque de Alex Martins)

Fale Conosco (64) 9948-5233