Blog

Confira as notícias, novidades e curiosidades sobre turismo

Publicado em 21/10/20 às 11:02:00

A morte silenciosa dos rios do Cerrado (uma nova Chitolina?) - parte III

Rio Formoso

A morte silenciosa dos rios do Cerrado (uma nova Chitolina?) - parte III
Fotografia aérea de erosão e assoreamento do Rio Formoso devido a lavouras fora dos limites do Parque Nacional das Emas - Foto autor desconhecido

O Rio Formoso é um legítimo representante das águas do Cerrado. Nasce dentro do Parque Nacional das Emas, maior unidade de conservação do bioma no mundo. É belo e formoso, como o próprio nome diz, um cartão postal do Parque.

Rio Formoso (dentro do Parque Nacional das Emas) - Foto André Monteiro


 

Quando sai dos limites do Parque, junta-se ao seu irmão Rio Jacuba e, juntos, formam o Rio Corrente, tributário do Rio Paranaíba, que vai desaguar no Rio Paraná e na Bacia do Prata. Alimentam com suas águas o sudeste e o sul do país, além do continente sul-americano.

Mas antes enfrenta um desafio: ao sair do território protegido, atravessa áreas desmatadas pela agricultura, destinadas ao plantio de lavouras de produção de commodities: soja, milho, algodão e outras.

E nessas áreas, desprovidas da vegetação natural do Cerrado, com pequena proteção das matas ciliares em seu curso, está sendo degradado pelo mau uso da terra e pelo desrespeito ao meio ambiente.

Com isso, contamina toda a cadeia da bacia hidrográfica com defensivos agrícolas, assoreamento de terras por curvas de nível mal feitas, que causam erosões que destroem o solo e provocam desastres como o visto nas fotografias e video abaixo, bem perto do Parque e da cidade de Chapadão do Céu, em Goiás. O Rio Formoso pode ter uma nova Chitolina - nome da maior erosão causada pelo homem nas nascentes do Rio Araguaia - no seu curso.

Lavoura com erosão no Rio Formoso - Foto autor desconhecido


 

O Rio Formoso e toda a Bacia Hidrográfica do Paraná pagam um preço muito alto por tal desatino. E preço maior pagamos nós, que dependemos das águas limpas e cristalinas que a natureza nos deu, mas as poluímos e destruímos de maneira irresponsável.

Até quando?
 

Fotografias e Vídeo: autor desconhecido (com exceção da fotografia com autoria declarada no texto)

Texto: André Monteiro

Fale Conosco (64) 9948-5233